Andar na luz

Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros…”

I João 1.7a.

O apóstolo João em sua primeira carta nos traz a tona uma realidade tão profunda da vida cristã, que vale a pena meditarmos sobre este trecho de sua mensagem. Quando olhamos o Novo Testamento em todo o seu ensino descobrimos que existem aspectos da vida diária do cristão, que muitos que se dizem crentes têm negligenciado e de certa forma pouco dado importância. Por isso, é significativo estarmos atentos para duas dimensões do cristianismo propostas por João, para que nos avaliemos se realmente temos experimentado e vivido destas realidades.

A primeira dimensão cristã apresentada por João é a pessoal. Minha vida com Deus. Eu e o Senhor. No trecho de sua mensagem ele diz “Se, porém andarmos na luz, como ele está na luz…”. O desafio do apóstolo é que todos aqueles que tiveram um encontro pessoal com Cristo necessitam desenvolver um relacionamento íntimo e verdadeiro com Ele. É imprescindível que nós como discípulos do Senhor desejemos e nos empenhemos para que a cada dia nos aproximemos mais Dele. O meu relacionamento com Deus é que me leva a andar na luz.

Andar na luz é algo extremamente prazeroso e desafiador. Ter comunhão com Deus através da oração e da leitura de Sua Palavra me faz pouco a pouco semelhante a Jesus. Quanto mais perto estamos de uma pessoa, mais parecidos ficamos dela. Neste sentido, quanto mais desejo estar perto de Cristo, mais parecido com Cristo irei ficar.

Quando me relaciono intimamente com Deus, mais me liberto do domínio do pecado, e conseqüentemente, momento a momento mortifico os desejos carnais que ainda tenho, para que a luz de Deus reflita através da minha vida e cause um impacto naqueles que convivem comigo. Quem não faz diferença no mundo é porque não está na luz, pois o relacionamento íntimo com o Criador desdobra-se em bênçãos para o próximo. Quem não tem um convívio diário com Deus não desfruta da prazerosa vida Cristã e jamais levará de sua luz para este mundo de trevas.

A segunda dimensão cristã é a coletiva. Meu relacionamento com o povo de Deus, minha vida mútua com os irmãos. João diz em decorrência de andarmos na luz: “mantemos comunhão uns com os outros…”.

Se de fato tenho uma vida pessoal com Deus é imprescindível que terei um relacionamento com os irmãos em Cristo. Não existe cristianismo isolado ou solitário. Erra quem pensa que se relacionar com Deus é se isolar de tudo e de todos. O apóstolo nos diz que aquele que é maduro espiritualmente desenvolve uma vida de amizade, relacionamento, perdão, alegria e muitos outros aspectos de uma comunhão. O crente crescido na fé busca auxiliar e caminhar junto dos mais novos. Os meninos em Cristo devem desejar estar mais próximos dos experientes para aprenderem com eles.

Se alguém se afasta desta dimensão coletiva, ou pouco se importa com ela, ou então, a ela é indiferente pouco se envolvendo ou tendo comunhão com os irmãos; nisto temos uma evidência, um claro sinal, de que esta pessoa não está na luz. Busquemos amadurecer nosso relacionamento pessoal com Cristo, para que nosso relacionamento com a igreja seja a cada dia mais prazeroso e maduro e assim de forma individual e coletiva possamos abençoar o próximo e ser luz para todas as nações.

@prdavidhorta

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *